"Levando a Palavra de Vida e
Esperança ao Policial Militar"

Rua Pedro Vicente, 258-A - Ponte Pequena - São Paulo / tel.: (11) 2203.7777







O vaso


“Deus, que disse: Das trevas resplandecerá a luz, ele mesmo resplandeceu em nosso coração, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Cristo. Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus e não de nós.” 2Co 4: 6 e 7


O apóstolo Paulo, inspirado por Deus, começa este trecho dizendo que Deus colocou Cristo em nossos corações: “Deus, que disse: Das trevas resplandecerá a luz, ele mesmo resplandeceu em nosso coração, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Cristo”. Este é o tesouro que Deus colocou no coração de cada um de nós. Deus tomou um vaso como eu, um vaso de barro, humano, falho, e neste vaso colocou um tesouro muito especial, que é a presença de Cristo.


No versículo seguinte Paulo explica que Deus pôs este tesouro num vaso de barro, “para que a excelência do poder seja de Deus e não de nós.” Onde normalmente se guarda um tesouro? Num cofre, bem trancado, bem seguro, cheio de segurança em volta; é ali que se põem um tesouro.


Deus fez o contrário. Por quê? Porque Deus não quer que este tesouro de Deus, que é ele mesmo, a sua própria vida em Cristo, fique escondido. Ao contrário, ele quer que o tesouro seja visto, manifesto, conhecido, e recebido pelo mundo todo; é um tesouro para ser dado. Nós temos a tendência de reter o tesouro: O tesouro é meu, eu vou guardar! Deus age de maneira oposta à nossa: ele quer dar o seu tesouro, aquilo que é mais valioso para ele, que é a vida de Cristo. Esta ele entregou por nós.


Deus, então, colocou este tesouro em vasos de barro, e o melhor jeito de o tesouro aparecer é quebrando o vaso. Na Bíblia há algumas ilustrações de coisas que se quebram. Uma delas você deve conhecer bem. Você se lembra de Gideão, cercando os midianitas? Ele deu uma tocha para cada soldado, dentro de um vaso, e disse que, na hora em que ele gritasse e a trombeta tocasse, eles deveriam quebrar o vaso. O que iria acontecer? A luz se manifestaria (Juízes 6). A mesma coisa acontece conosco quando quebramos. A luz dentro de nós, que é Jesus, passa a brilhar e ser vista pelos que estão à nossa volta.


Outra ilustração é a daquela mulher que tinha um vaso de alabastro, um perfume dos mais caros do mundo, mas ela queria que aquele perfume se manifestasse exatamente aos pés de Cristo. Ela estava angustiada, sentindo a iminência da morte do Senhor amado, e simbolicamente o ungiu para o enterro(João 12). Ela, então, quebrou o vaso, e o perfume se manifestou. A mesma coisa acontece conosco quando somos quebrados: o perfume de Cristo exala e se manifesta através de nós.


Deus pôs esse tesouro num vaso de barro, para que a excelência do poder seja de Deus e não nossa. Isto quer dizer que Deus quer que nós desapareçamos para que Cristo apareça. É o que João Batista disse: “Convém que ele cresça e que eu diminua” (João 3.30).


A melhor maneira de Deus fazer com que este tesouro se manifeste é quebrando o nosso vaso. A melhor maneira de Cristo aparecer em sua vida é você ser quebrado por Deus, como o oleiro fez com o vaso em Jeremias 18: a argila não assumiu a forma desejada, talvez porque houvesse uma impureza na massa de barro, e o oleiro desfez tudo e recomeçou a moldar o vaso. Deus disse a Jeremias, diante desta lição objetiva, que assim ele faz conosco, o seu povo: ele nos molda, para forjar o caráter de Cristo em nossa vida. E o que acontece? Cristo se manifestará através de nós.


TEXTO EXTRAÍDO DO LIVRO “O VASO QUEBRADO”, DO PASTOR EDISON QUEIRÓZ, DA IGREJA BATISTA DE SANTO ANDRÉ.

 


Copyright © 2010 Todos os direitos reservados. - Desenvolvido por Exibir Comunicação